Sobre arrependimentos e defesas.

19:32


Dos maiores arrependimentos que trago, está o de defender pessoas que não mereciam. Aliás, defender pessoas que sabiam se defender, muitas vezes de quem não era tão vilão como parecia ser. 
A verdade é que a gente se deixa levar (muito) por quem a gente gosta. Isso aumenta ainda mais se estivermos chateados com o alvo em questão, como aconteceu comigo. 
Aí o tempo passou e me fez não só olhar para trás com arrependimento, mas também a olhar para o agora e perceber o quanto as coisas são diferentes do que eu imaginava. Nunca existiu vítima, nem tampouco alguém que se importaria comigo se fosse o contrário. Também não existiu um vilão, somente alguém que errou e que pagou caro demais por estes erros (que foram tão tolos e não mereciam todo aquele apedrejamento). 
Essa experiência me fez ter mais cautela quando se tratam de desavenças que não são minhas. Muitas vezes, a gente escuta só um lado da história e já leva consigo uma conclusão sobre ela, julgando erroneamente pessoas e fatos. 
Muitas vezes, a gente cobra uma perfeição que sequer somos capazes de oferecer. É claro que alguns erros são imperdoáveis para alguns, inclusive para mim, mas outros são pequenos demais diante de tudo o que aquela pessoa é. 
Por isso, meus caros, muito cuidado com o que escutam, com o que pensam saber e com causas que abraçam sem se permitirem conhecer todos os lados ou sem terem a humildade de reconhecer que todos nós erramos. 

(E a você que me magoou e que eu também magoei, deixo aqui o meu pedido de perdão. Se tudo acontecesse hoje, eu certamente lhe diria que você agiu da forma errada, mas que merecia ter uma nova chance por tudo o que sempre mostrou ser, inclusive comigo. Então eu te abraçaria e deixaria toda essa mágoa - que boa parte nem sequer era minha - para trás. E tenho certeza que eu seria muito mais feliz assim.)


Você poderá gostar também:

0 comentários

Curta