O florescer da liberdade.

14:11


Olhos cansados 
Pensamentos esgotados 
Coração dilacerado 

Pouco ou nada fazia sentido 
Nem mesmo aquele velho e conhecido caminho  

Sentia tudo, percebia o mundo 
Mas calava-se e fazia-se de surdo 
Até não aguentar mais lidar com tudo 

Quando explodiu o que vinha lá do fundo 
Pegou as chaves, se destrancou 
Descalço sobre a terra, caminhou 
Chorou, gritou, secou 
E seu maior medo, enfrentou 
Saiu da gaiola 
Colocou o lixo pra fora 

Mudou de endereço 
Trocou de roupa 
Pintou o cabelo 
Queria mudar até aquilo que via no espelho 
Se transformou, se reinventou 

Deixou a liberdade florescer 
Sentiu o prazer de se reconhecer 
Fez tudo o que queria fazer 
E tornou-se aquele que sempre quis ser.



Você poderá gostar também:

0 comentários

Curta